Rede Internacional apoia caminhoneiros e repudia repressão e intervenção militar

A Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas envia moção de apoio à greve de caminhoneiros que segue em curso após 8 dias. Em nota, a organização ainda expressa repúdio à repressão e intervenção militar que sofre a categoria.

 

É destacado ainda a importante consequência da greve na economia e estabilidade do governo, e de como é necessário defender a estatização da Petrobrás.

 

Além disso, apoiam outras categorias que seguem em luta e em greve como os metalúrgicos do ABC e professores de vários estados do país.

 

Confira a moção [AQUI em PDF] ou ao final do texto.

 

Unificar a luta – Desde a última sexta-feira (27), os petroleiros da Revap, em São José dos Campos (SP), Replan, em Campinas (SP), Regap (MG), RPBC (Cubatão/SP), Refap (RS), Reduc (RJ) e Rnest (PE) vêm realizando protestos, atrasos na entrada e cortes de rendição. A greve geral da categoria pode ter início nesta quarta-feira (30).

 

Metalúrgicos também demonstraram apoio aos caminhoneiros. Em diversas fábricas de São José dos Campos e região (SP), os trabalhadores realizaram assembleias em solidariedade à categoria na manhã desta segunda-feira (28). Houve atrasos em cinco fábricas, dentre elas a Embraer.

 

A CSP-Conlutas defende que é preciso todo apoio à luta dos caminhoneiros, pois essa é uma luta de toda a classe trabalhadora. É hora de unificar as várias outras lutas em curso no país, como de professores, servidores, metalúrgicos, entre outros, e realizar uma forte paralisação nacional de toda a classe trabalhadora brasileira.

 

Moção de apoio da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas

 

A Rede Sindical Internacional de Solidariedade e de Lutas apoia os caminhoneiros em greve contra o brutal aumento dos combustíveis, consequência, entre outras, da privatização da Petrobras.
Esta greve começa a ter consequências importantes e leva a uma paralisação da economia por falta de mercadorias, matérias-primas e peças nos diferentes setores.

 

Mas não só. Os metalúrgicos do ABC, os professores de várias cidades, os motoristas de Salvador estão também em greve.

 

A Rede Sindical Internacional de Solidariedade e de Lutas apoia a construção da paralisação geral do Brasil e denuncia a intervenção militar e a repressão dos movimentos sociais!

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

21600Total de Visitas